top of page
  • Foto do escritorRafael Torres

10 Obras para se Conhecer Bartók

Um dos compositores da Hungria mais importantes no século XX é Béla Bartók (1881-1945). Importante é a palavra certa, porque sua música nunca se tornou popular. Digo entre os não admiradores de música clássica. É uma música difícil, dissonante, repleta de elementos exóticos, a escrita é diferente. Por exemplo, no seu 1º Concerto para Piano, o piano é usado como um instrumento de percussão. Não obstante, tem admiradores fervorosos, porque nessa mesma música se pode encontrar momentos arrepiantes, empolgantes, modernos e que você não encontra em nenhum outro lugar.


Ao lado de Igor Stravinsky, Sergei Prokofiev e Paul Hindemith, foi o difusor da principal linguagem musical do começo do Modernismo. Especialmente anos 1900 a 1940.


As peças que listarei aqui são todas importantes no seu repertório. Algumas são bem longas, outras nem tanto. Mas garanto que conhecendo qualquer uma você estará apto a desfrutar o mundo de ideias desse grande compositor.



 

I. Música Para Cordas, Percussão e Celesta (1936)


Já fiz uma postagem sobre essa obra (veja aqui). Trata-se de uma das mais conhecidas do compositor. Extremamente densa e inovadora, pode demorar a ser apreciada. Mas se você insistir, garanto que será recompensado. São 4 movimentos cuidadosamente calculados (é aqui que a música se aproxima da matemática).


Como disse anteriormente, trata-se de uma nova linguagem musical, à qual você precisa se adaptar. Nada de melodiazinhas assobiantes.


Gravação recomendada - Susanna Mälkki, regendo a Filarmônica de Helsinki



 

II. Concerto para Orquestra (1943)


Esta peça é outra história. É otimista e tem um linguajar mais acessível. Aliás, pertence a um período em que Bartók mudou um pouco sua atitude em relação à composição. Ele queria atingir um público maior e menos acadêmico. Foi uma das últimas obras sinfônicas dele, composta para a Sinfônica de Boston e seu regente Serge Koussevitsky.


Sabemos que um Concerto é uma obra em que um ou mais insrtrumentos se contrapõem à orquestra. Desse modo, é contraituitivo falar em Concerto para Orquestra, mas o que acontece aqui é que todos os instrumentos são testados.


A música é longa, com 5 movimentos e procura destacar os instrumentos individuais e os naipes de instrumentos com uma escrita absolutamente virtuosística. Existem vídeos no YouTube de trompetistas ensinando a tocar determinada passagem...


Gravação recomendada - George Solti, regendo a Sinfônica de Chicago



 

III. O Mandarim Milagroso (Suíte de Balé-Pantomima) (1924)


Em 1924 Bartók terminou um Balé-Pantomima com um enredo um tanto chocante para a época, envolvendo seduçao e roubo por parte de uma gangue que usa uma dançarina para atrair as vítimas. A última vítima é um Mandarim (um rico Chinês) que deseja a dançarina e avança sobre ela. Os ladrões tentam matá-lo por sufocamento, por facadas e percebem que o Mandarim não morre. Quando derrubam um lustre sobre ele, ele se torna em um espírito esverdeado. Percebendo que ele não iria embora, a moça pede que o soltem e ele cai mais uma vez sobre ela, consumando um estrupro. Não sei por que Bartók achou que isso ia dar certo.


Era O Mandarim Milagroso. Obtendo pouco sucesso com o balé, Bartók retirou dele uma Suíte, a ser tocada em concerto, desprovida da encenação. Esta foi bem mais bem-sucedida. A escrita orquestral é impressionante e imponente. No começo temos uma descrição de uma cidade grande e selvagem.


Sugiro que escute a suíte sem se preocupar com o enredo.


A suíte competa dura cerca de 16 a 19 minutos, enquanto o bale, dura 33 minutos.


Gravação recomendada - Esa-Pekka Salonen, regendo a Filarmônica de Los Angeles



 

IV. Concerto para Piano Nº 2 (1931)


Um dos concertos para piano mais difíceis do repertório. Tão difícil que só passou a ser gravado com mais frequência recentemente (nas últimas décadas). Ele segue a chamada forma de arco de Bartok - Rápido-Lento-Rápido-Lento-Rápido.


O segundo movimento é fantasmagórico, com suas cordas em surdina. Também não é uma peça fácil de ouvir, exige um bocado do ouvinte, pois além de incorrigivelmetne dissonante, é todo contrapontístico.


Gravação recomendada - Géza Anda, ao piano, com a Orquestra Sinfônica da Rádio de Berlim e Ferenc Fricsay na regência.



 

V. Concerto para Piano Nº 3 (1945)


Diferente do anterior, esse concerto é simples e agradável. E bem mais fácil. Se você acha a música de Bartók muito difícil e dura, esse concerto certamente apelará a você.


Feito como um presente surpresa de aniversário para a sua esposa Ditta Pásztory-Bartók, que era uma competente pianista, mas que jamais poderia enfrentar os outros concertos, é uma obra cheia de ternura e melodias cantáveis. Isso tudo sem abrir mão do estilo próprio do copositor.


Com 3 movimentos, dura cerca de 25 minutos.


Gravação recomendada - Martha Argerich ao piano, com a Sinfônica de Montreal regida por Charles Dutoit



 

VI. Quarteto de Cordas Nº 4 (1928)


Os seis Quartetos de Cordas de Bartók são considerados as obras primas do gênero no século XX. Ao lado dos de Shostakovich e de Villa-Lobos. O quarto talvez seja o mais famoso e mais adorado. Foi escrito e 1928 e estreado em Budapeste em maio de 1929. Com ele, revemos a forma em arco de Bartók: o primeiro e o último (quinto) movimentos têm material em comum, assim como o segundo e o quarto - até as durações são parecidas. O terceiro, no centro, não interage com os outros e contrasta com eles. E que beleza é esse terceiro movimento!....


Gravação recomendada - Emerson String Quartet



 

VII. Sonata para 2 Pianos e Percussão (1937)


Exemplo da altamente complexa música bárbara do compositor húngaro. Tem 3 movimentos e dura cerca de 25 minutos. A percussão (2 percussionistas) está inteiramente integrada aos dois pianos. Quanto a eles, não há um primeiro e um segundo. Ambos são igualmente importantes (aliás, a percussão também, que conta com 3 tímpanos, xilofone, 2 tambores, pratos, prato suspenso, bumbo, triângulo e gongo). O piano, lembremo-nos, é um instrumento de percussão, e aqui isso é bem ressaltado.


Gravação recomendada - Martha Argerich, Nelson Freire, Peter Sadlo e Edgar Guggeis



 

VIII. Concerto para Violino e Orquestra Nº 2 (1938)


Quando Bartók era vivo, esse era conhecido simplesmente como seu Concerto para Violino. O Nº 2 veio porque 11 anos depois de sua morte estrearam, à revelia, seu 1º Concerto, escrito em 1911 e esquecido.


O Segundo é uma peça muito bem estruturada e orquestrada, cheia de temas dodecafônicos, mas que não é difícil de ouvir. Tem 3 movimentos e dura cerca de 36 minutos.


Gravação recomendada - Isabelle Faust (violino), com a Orquestra Sinfônica da Rádio Sueca, regida por Daniel Harding



 

IX. O Príncipe de Madeira (balé) (1917)


Essa partitura sensacional é o segundo e último balé de Bartók, que nunca fez o sucesso da suíte do seu primeiro, O Mandarim Milagroso. O compositor emprega aqui sua maior orquestra, com 4 flautas (2 alternando para flautim), 4 oboés (2 alternando para corne inglês), 4 clarinetes (2 alternando para clarinete em mi bemol e clarone), 4 fagotes (2 alternando para contrafagote) 1 saxofone alto, 1 saxofone tenor (alternando para saxofone barítono), 4 trompas, 4 trompetes, 2 cornetas, 3 trombones, tuba, tímpanos (1 executante) e mais 5 executantes de bombo sinfônico, pratos, caixa-clara, tambor de campo, triângulo, gongo, glockenspiel, xilofone, castanholas, 2 harpas, celesta, 16 primeiros violinos, 16 segundos violinos, 12 violas, 10 violoncelos e 8 contrabaixos.


A música é sensacional, evocativa e de fina orquestração. A história, muito simples, fala de um príncipe que se apaixona por uma princesa, mas é impedido de alcancá-la por uma fada que faz a floresta e o vapor atrapalharem. Numa tentativa de atrair a atenção da princesa, ele pendura sua capa, seu cabelo e uma coroa em um bastão. A princesa vê esse príncipe de madeira e dança com ele. A fada vida ao príncipe de madeira e a princesa sai com ele, no lugar do príncipe de verdade. Ele cai em desespero. A fada tem pena dele, ao vê-lo dormir, veste ele elegantemente e tira a vida do príncipe de madeira. A princesa retorna e se reúne ao príncipe de verdade, por fim. Pode não ser muito, mas é consistente com as histórias de balé da época e gera uma música sensacional. Além do mais, você pode escutar sem reparar nos aspectos narrativos, ouvindo apenas como música.


Gravação recomendada - Orquestra Filarmônica de Helsinki, regida por Susanna Mälkki



 

X. Divertimento para Orquestra de Cordas (1939)


Lembra do Paul Sacher, regente suíço que, para o aniversário de 10 anos da sua orquestra (Orquestra de Câmera da Basiléia), encomendou a 2ª Sinfonia de Honegger e a Música para Cordas, Percussão e Celesta, de Bartók? Ele encomendou ao compositor esse Divertimento para Orquestra de Cordas, que é uma beleza.


A escrita de Bartók para cordas era realmente uma preciosidade. Ele usa instrumentos como solistas e em conjunto. A peça tem 3 movimentos e dura cerca de 25 minutos.


Gravação recomendada - Orquestra Sinfônica da NHK, de Tóquio, regida por Paavo Järvi



 

Conhecendo essas dez obras, você não apenas estará conhecendo as mais importantes de Bartók, mas uma boa parte de sua obra. Conseguimos fazer uma seleção que abarca toda a sua criação, com excessão da música para piano solo e da ópera O Castelo de Barba-Azul.


É uma música que vale a pena conhecer, como um pintor tem sua linguagem própria, Bartók tem seu estilo e ele é pleno de riqueza e dos mais variados climas.


 


E, como sempre, o encorajamos a comentar. Nosso dever é difundir a música clássica, e não sabemos exatamente se estamos conseguindo. Às vezes parecemos rádio-amadores, transmitindo para as galáxias (possivelmente) solitárias. Seu comentário faria muita diferença. Pode ser de pirraça, de elogio, de desabafo, de conversa. O que for. Agradecemos. Algumas postagens importantes. Uma opção para o dilema de tocar ou não Música Russa nos concertos hoje em dia. Um "pequeno" Glossário de termos musicais. Aqui, 10 Livros Sobre Música Clássica Veja aqui: Como Ouvir Música Clássica Vamos Entender a Orquestra Sinfônica Música Clássica é Elitista? Preconceito Contra Música Clássica O Movimento HIP (Interpretações Historicamente Informadas) César Franck, o Aluno dos seus Alunos Rachmaninoff ou Rachmaninov? Como se pronuncia e escreve? Música Calada, A Arte de Federico Mompou As Melhores Orquestras do Mundo: Vol. 1 - Filarmônica de Berlim Vol. 2 - Orquestra do Concertgebouw, Amsterdã Vol. 3 - Filarmônica de Viena Perfil da pianista portuguesa Maria João Pires, postagem da nossa correspondente prodígio lusitana Mariana Rosas, do Blog Pianíssimo (www.pianissimo.ovar.info). Perfil da violinista francesa Ginette Neveu, falecida aos 30 anos em um acidente de avião, em 1949. Perfil do pianista brasileiro Nelson Freire, considerado um dos maiores dos tempos modernos e falecido em 2021. Veja também: Músicas Fofinhas 1 - Humoreske, de Dvořák Músicas Fofinhas 2 - Melodia de Orfeu, de Gluck/Sgambati Músicas Fofinhas 3 - Pavane pour une Infante Défunte, de Ravel Músicas Fofinhas 4 - Caixinha de Música Quebrada, de Villa-Lobos Músicas Fofinhas 5 - Fantasia Tallis, de Vaughan Williams Músicas Fofinhas 6 - Abertura Tannhäuser, de Wagner Músicas Fofinhas 7 - Rêverie, de Debussy E veja nossas famosas listas: - As Maiores e Mais Belas Sinfonias Já Escritas - Top 10 Maiores Pianistas do Brasil - Top 10 Sinfonias Imprescindíveis - Outro Top 10 Sinfonias a se Conhecer - Top + 10 Sinfonias para Escutar Sem Erro - Top 15 Sinfonias Injustiçadas - Top 10 Obras Sinfônicas Extra Categoria - Top + 10 Obras Sinfônicas Extra Categoria - Top 10 Sonatas que Você tem que Conhecer - Top 10 Concertos Para Violono - Top 10 Concertos para Piano - 10 Discos para Entender Beethoven - 10 Discos para Entender Mozart - 10 Discos para Entender Villa-Lobos - Top 10 Música Clássica de Terror - Top 10 Maiores Orquestras Sinfônicas dos EUA - As 20 Maiores Orquestras do Mundo - Alguns dos Maestros Mais Importantes do Século XX - Top 10 Gravações do 1º Concerto para Piano de Brahms - Top 10 Gravações do 2º Concerto para Piano de Brahms Música Popular Brasileira: Top 10 Discos de Chico Buarque Top 10 Discos de Tom Jobim Top 10 Discos de João Gilberto Top 10 Discos de Edu Lobo Top 10 Discos dos Beatles 7 Discos Fora da Caixinha + 7 Discos Fora da Caixinha ++ 7 Discos Fora da Caixinha

E análises de obras - Bach - Chaconne em Ré Menor - Mozart e seus milagres - Réquiem - Mozart e seus milagres - Concerto para Flauta, Harpa e Orquestra - Brahms - Sinfonia Nº 1 - Brahms - Sinfonia Nº 2 - Brahms - Sinfonia Nº 3 - Brahms - Sinfonia Nº 4 - Brahms - Concerto para Piano Nº 1 - Brahms - Concerto para Piano Nº 2 - Britten - Guia da Orquestra para Jovens - Elgar - Variações Enigma - Bartók - Música para Cordas, Percussão e Celesta - Hekel Tavares - Concerto para Piano em Formas Brasileiras nº 2 - Chopin - Os Estudos - Chopin - As Baladas - Chopin - Os Scherzos - Chopin - Os Prelúdios - Beethoven - Sinfonia Nº 3 "Eroica" - Beethoven - Sinfonia Nº 5 - Beethoven - Sinfonia Nº 6 "Pastoral" - Beethoven - "Sinfonia Nº 10" (Completada por Inteligência Artificial) - Beethoven - O Concerto para Violino - Beethoven - Os Concertos para Piano - Berlioz - Sinfonia Fantástica - Tchaikovsky - Sinfonia Nº 6 "Pathétique" - Dvorák - Sinfonia Nº 7 - Dvorák - Sinfonia Nº 8 - Dvorák - Sinfonia Nº 9 "Do Novo Mundo" - Dvorák - Concerto para Piano - Debussy - Prelúdio para a Tarde de um Fauno - Debussy - Os Prelúdios para Piano (Livro 1) - Debussy - Os Prelúdios para Piano (Livro 2) - Debussy - Les Chansons de Bilitis - Dukas - La Péri - Dukas - O Aprendiz de Feiticeiro - Holst - Os Planetas - Honegger - Sinfonia Nº 2 - Mendelssohn - As Hébridas (A Gruta de Fingal) - Mussorgsky - Quadros de Uma Exposição - Penderecki - Trenodia para as Vítimas de Hiroshima - Rachmaninoff - Concerto 1 - Rachmaninoff - Concerto 2 - Rachmaninoff - Concerto 3 - Rachmaninoff - Concerto 4 - Rachmaninoff - A Ilha dos Mortos - Ravel - Concerto para Piano em Sol - Ravel - La Valse - Ravel - Bolero - Ravel - Daphnis et Chloé (Suíte Nº 2) - Steve Reich - Música para Pedaços de Madeira - Richard Strauss - Sinfonia Alpina - Schubert - Quarteto Nº 14 "A Morte e a Donzela" - Schumann - Estudos Sinfônicos - Stravinsky - A Sagração da Primavera - Villa-Lobos - As Bachianas Nº 3 Compreendendo o Maestro: Parte 1 - História Parte 2 - Pra Que Serve? Parte 3 - Curiosidades Saiba, aqui, tudo sobre os Argonautas, um quarteto de MPB Clássica e Contemporânea Autoral Cearense. Papo de Arara (Entrevistas) Hermes Veras, poeta e antropólogo Liduino Pitombeira, compositor cearense Leonardo Drummond, da Kuba Áudio Luiz Cláudio Ramos, músico (violonista e arranjador) Verônica Oliveira, faxineira hipster Daniel Pirraça, designer de jogos Yandra Lobo Júlio Holanda Gidalti Jr., quadrinhista Emmanuele Baldini, violinista e regente E, como sempre, o encorajamos a comentar. Nosso dever é difundir a música clássica, e não sabemos exatamente se estamos conseguindo. Às vezes parecemos rádio-amadores, transmitindo para as galáxias (possivelmente) solitárias. Seu comentário faria muita diferença. Pode ser de pirraça, de elogio, de desabafo, de conversa. O que for. Agradecemos.

Posts Relacionados

Ver tudo

Comments


bottom of page