• Rafael Torres

Ravel - Bolero - O Exercício que saiu do Controle



Quando, em 1928, Maurice Ravel compôs o seu Bolero, ele já era um compositor famoso e amado pelo mundo inteiro. Sua intenção, assim como em La Valse, era escrever um balé. Mas novamente a obra se tornou muito mais conhecida como uma peça sinfônica.

Se pararmos para analisar, no sentido estritamente musical, a peça não deveria funcionar despida da dança. É uma simples melodia repetida incessantemente pela orquestra, que nunca traz nenhuma novidade. A não ser na orquestração. Ela cresce e cresce e cresce. Ouvimos vários instrumentos destacados como solistas e várias combinações. Até a apoteose final, em que a orquestra toda está dominada pelo ritmo do bolero espanhol.


Está marcardo Tempo di bolero - Moderato assai, que significa muito moderado. A maioria dos regentes a toca mais rápido do que o concebido por Ravel. Aliás, temos duas indicações conflitantes do que seria o tempo ideal para o compositor: a partitura atribui 72 bpm para cada semínima, o que resultaria em um tempo de pouco mais de 14 minutos; e a gravação que Ravel fez tem 17 minutos. Lembrando que originalmente ele atribuiu 66 bpm à semínima, o que dá realmente os 17 minutos. Depois é que foi mudado, em edições posteriores, para 72.

Eu sempre achei mais impressionantes as gravações mais lentas. Especialmente as que conseguem ser excitantes sem correr. O controle que o regente tem que ter é absurdo. Porque a orquestra quer correr. Se aumenta a dinâmica e a textura orquestral, o natural é que aumente também a velocidade. Mas não se pode fazer isso: em nenhum momento a partitura indica variação de tempo. O maestro tem que ficar inabalável.


A caixa clara, por exemplo, toca durante todos esses minutos, a seguinte célula rítmica:

Para um percussionista é facinho tocar isso, mas por 17 minutos? E sem correr? Torna-se um desafio.


A orquestra que ele pede é a seguinte:


1 Flautim

2 Flautas (1 alternando para Flautim)

2 Oboés (1 alternando para Oboé d'Amore)

1 Corne Inglês

2 Clarinetes (1 alternando para Clarinete em mi bemol, chamado Requinta no Brasil)

1 Clarinete Baixo (Clarone)

3 Saxofones

2 Fagotes

1 Contrafagote

4 Trompas

4 Trompetes

3 Trombones

1 Tuba

3 Tímpanos

Percussão (Gongo, Pratos, 2 Caixas Claras, e um Bumbo Sinfônico)

1 Celesta

1 Harpa

Violinos 1

Violinos 2

Violas

Violoncelos

Contrabaixos


A peça começa com esse ritmozinho tocado pela caixa, com golpes pizzicato das cordas. É só o acompanhamento. A melodia surge logo na flauta. E vai passar por diversos instrumentos, principalmente das madeiras: o clarinete, o fagote, o saxofone, o flautim. Sempre num incessante crescendo.


Quando eu era pequeno lembro de ter perguntado aos meus pais de quem era o Bolero de Ravel. Porque o nome já vem assim. Bolero de Ravel. Depois, quando conheci outras peças dele, sobretudo Daphnis et Chloé, fiquei impressionado como um mesmo compositor podia escrever as duas peças. Daphnis é uma obra prima de sutileza, parece que nunca repete uma nota sequer. O Bolero é essa coisa quase irritante e infinitamente repetitiva. Depois a gente se acostuma e aprende a apreciar justamente a repetição, o movimento quase sexual da obra.


A bailarina Ida Rubinstein.
A bailarina Ida Rubinstein.

Por falar nisso, ela foi encomendada, como já falei, como um balé, por Ida Rubinstein, que a dançou na estreia e causou alvoroço. Parecia realmente sexual, a intenção da música e da dança. Aos poucos a peça foi se desvencilhando do balé e ficando mais conhecida e tocada em salas de concerto.


Isso se dá porque, embora seja atípica de Ravel, a peça se tornou a mais conhecida do compositor. Ele se irritava: "textura orquestral sem música"... Pode-se dizer que a obra se tornou mais famosa que o compositor. Saiu do controle.


Mas a música é insistente. Tanto em sua estrutura, quanto em sua carreira. Permanece como uma das melodias mais reconhecíveis da história da música clássica, e por quase um século vem sendo gravada e executada em tudo que é disco e concerto.


Particularmente, repito que aprendi a apreciar a insistência da peça, o ostinato crescente que, no fim, explode, como se estivesse, antes, preso numa gaiola.


Gravações recomendadas

- Daniel Barenboim, com a Orquestra de Paris - Essa é uma das mais famosas gravações. O controle de Barenboim e dos músicos é extraordinário. Foi gravada em 1981.

https://open.spotify.com/album/4iFMjQ9K032UvHJTjFAhvd?si=jPxkfG7ESZ2s0AJZ1HDOiw


- Jean Martinon, com a Orquestra de Paris - Uma versão mais rápida com a mesma orquestra da gravação anterior. Martinon faz uma interpretação famosamente excitante, quase descontrolada, da música. É de 1975.

https://open.spotify.com/album/5mPyahvfWUvgXneRoNHZde?si=2MINHAmHTJ2o3VCI6kFlhg


- André Cluytens, regendo a Orchestre de la Société des Concerts du Conservatoire - De 1963, essa versão é excepcional. Não é polida como costumamos ouvir hoje, mas tem um temperamento efusivo que também não é mais comum.

https://open.spotify.com/album/6dSnUURfdvttgvVmeTz26X?si=2uUFMBGMTJ29B3pxzAhHNw


- Herbert von Karajan, regendo a Filarmônica de Berlim - De 1987, essa gravação também é muito famosa. O som é limpo, mas a selvageria está lá.

https://open.spotify.com/album/0WYg0YfdTZxROBvnogZWdo?si=vF-1NnR1SsGCH3qSf1gYRQ

Gostou? Comente!


Veja aqui, como ouvir música clássica.


Veja também:


Músicas Fofinhas 1 - Humoreske, de Dvořák

Músicas Fofinhas 2 - Melodia de Orfeu, de Gluck/Sgambati

Músicas Fofinhas 3 - Pavane pour une Infante Défunte, de Ravel

Músicas Fofinhas 4 - Caixinha de Música Quebrada, de Villa-Lobos


E veja nossas famosas listas:


- Top 10 Maiores Pianistas do Brasil

- Top 10 Sinfonias Imprescindíveis

- Top 10 Sonatas que Você tem que Conhecer

- 10 Discos para Entender Beethoven

- 10 Discos para Entender Mozart


E análises de obras:


- Brahms - Sinfonia Nº 1

- Brahms - Sinfonia Nº 2

- Brahms - Sinfonia Nº 4

- Brahms - Concerto para Piano Nº 1

- Brahms - Concerto para Piano Nº 2

- Chopin - Os Études

- Chopin - As Baladas

- Chopin - Os Prelúdios

- Beethoven - Sinfonia Nº 3 "Eroica"

- Beethoven - Sinfonia Nº 5

- Beethoven - Sinfonia Nº 6 "Pastoral"

- Tchaikovsky - Sinfonia Nº 6 "Pathétique"

- Dvorák - Sinfonia Nº 7

- Dvorák - Sinfonia Nº 8

- Dvorák - Sinfonia Nº 9 "Do Novo Mundo"

- Mussorgsky - Quadros de Uma Exposição

- Rachmaninoff - Concerto 1

- Rachmaninoff - Concerto 2

- Rachmaninoff - Concerto 3

- Rachmaninoff - Concerto 4

- Ravel - Concerto para Piano em Sol

- Ravel - La Valse

- Ravel - Daphnis et Chloé (Suíte Nº 2)

- Rachmaninoff - A Ilha dos Mortos

- Richard Strauss - Sinfonia Alpina

- Stravinsky - A Sagração da Primavera

0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo