top of page
  • Foto do escritorRafael Torres

Milagres de Mozart - Et Incarnatus Est, da Grande Missa em Dó Menor

Por Rafael Torres

A Grande Missa em Dó Menor, K. 427, do compositor austríaco Wolfgang Amadeus Mozart (1756-1791) é uma obra prima. Ela engrossa nossos argumentos de que Mozart foi o maior compositor do Classicismo (segunda metade do século XVIII). Não analizaremos a missa inteira, aqui: sua duração é de cerca de 55 minutos (isso porque Mozart não completou a obra - faltam-lhe o Credo, o Agnus Dei e partes do Sanctus e do Benedictus). O motivo da incompletude da obra não se conhece: Mozart parece ter tido bastante tempo livre para compor em 1782. Porém, é dito que a inspiração dele para compor música sacra caiu quando ele se mudou para Viena. Ainda assim, é umas das obras mais geniais e compridas dele.


Wolfgang Amadeus Mozart Joseph Lange
Wolfgang Amadeus Mozart, por seu cunhado Joseph Lange, em 1782.

Hoje em dia as performances tendem a utilizar edições da obra completadas por outros compositores ou editores. Alguns exemplos são as do editor Alois Smith, de 1901, de Clemens Kemme, editor da Breitkopf & Härtel, de 2018, e do musicóloco e pesquisador do Mozarteum de Salzburgo Ulrich Leisinger, para a editora Bärenreiter, de 2019. Por isso é que temos gravações da obra completa: foi completada por outros músicos e musicólogos.


A obra nasceu em 1782 e 1783, em Viena, para onde tinha acabado de se mudar (Mozart nasceu e trabalhou até então, em Salzburgo, também na Áustria). Foi escrita logo antes do seu casamento com Constanze (Weber) Mozart (1762-1842). Mozart escreveu uma carta ao pai, em 1783, contando que tinha feito a promessa de escrever uma missa quando a esposa ficasse curada e quando fosse levar Constanze a Salzburgo para conhecer a família (no caso, restavam apenas Leopold Mozart, o pai e Maria Anna Mozart, a sua querida irmã, apelidada de Nannerl). Depois dessa visita Mozart nunca mais veria a irmã - ele morreria em 1791, apenas 8 anos depois, em Viena. As correspondências entre os dois foram minguando até cessar em 1788. Nannerl é um típico caso, assim como Fanny Mendelssohn, irmã de Felix Mendenssohn-Bartholdy, de mulher que teria uma carreira notável, não fosse a proibição do pai, fruto da misoginia de então.


"É verdade o que eu disse sobre minha obrigação moral... Eu fiz a promessa e espero conseguir mantê-la. Quando eu a fiz, minha esposa ainda era solteira; mas como eu estava determinado a casar com ela logo que se recuperasse, foi fácil para ela, a recuperação - mas como você sabe, o tempo e outras circunstâncias fizeram a jornada impossível. A partitura de uma missa meio acabada que ainda está repousando aqui, esperando para ser terminada, é a melhor prova de que eu realmente cumpri a promessa."


Wolfgang Amadeus Mozart

Em carta a seu pai, Leopold Mozart, em 4 de Janeiro de 1783


O compositor passou 3 meses em Salzburgo e uma de suas intenções era a de apresentar Constanze a Leopold - o pai ficara contrariado com o fato de Wolfgang se casar com uma moça que não tinha passado pela sua aprovação. É também evidente que Mozart escreveu a missa para sua própria distração, para se desafogar dos trabalhos que lhe eram encomendados constantemente, nessa época.


 

A Estreia


A estreia da peça aconteceu durante essa visita. Foi em Salzburgo, em 26 de outubro de 1783. Constanze, que era hábil cantora, cantou a parte da soprano justamente no Et Incarnatus Est, o movimento sobre o qual vamos nos debruçar. Nessa estreia foram executados apenas os movimentos Kyrie, Glória, Et Incarnatus Est, Sanctus e Benetictus. Foi na Abadia de São Pedro, já que a missa é um formato apropriado para ser cantado em igrejas.


 

O Formato Missa


O formato missa surgiu vários séculos antes de Mozart, na Idade Média (a primeira missa completa que sobreviveu até os dias de hoje foi a Messe de Notre Dame, de Guillaume de Machaut, do século XIV). A missa tem sempre os mesmos textos, muitos são os mesmos do Réquiem, que também é um tipo de missa. O que varia é a música. Ela é dividida em partes. O compositor pode eleger quais ele quer incluir ou omitir da sua obra.


A Grande Missa em Dó Menor, K. 427 ficou assim:

  • Kyrie Eleison;

  • Gloria (essa é uma sessão, que contém 7 movimentos: Gloria, Laudamus Te, Domine Deus, Qui Tollis, Quoniam, Jesu Christe e Cum Sanctu);

  • Credo (com dois movimentos: Credo, Et Incarnatus Est);

  • Sanctus (com dois movimentos: Sanctus e Hosanna);

  • Benedictus.

Um movimento comum, mas que Mozart não incluiu nessa missa é o Agnus Dei, que geralmente encerra a obra. No total, essa missa tem 13 movimentos. Sua duração é de cerca de 55 minutos. É uma obra descomunal e exemplar, de inspiração elevada do primeiro ao último movimento.


 

Et Incarnatus Est


O 11º movimento dos 13 da Grande Missa em Dó Menor é o Et Incarnatus Est. É um quarteto para soprano e orquestra com três solistas: a flauta, o oboé e o fagote. Talvez seja o mais inspirado e milagroso movimento da missa. Mozart o deixou incompleto, faltando boa parte do acompanhamento das cordas e a cadência. O Incarnatus dura pouco mais de 7 minutos e meio de inspiração, genialidade, beleza, tranquilidade. A mais pura perfeição e delicadeza.


Abaixo temos a nossa gravação guia, com Arleen Auger (soprano) e Leonard Bernstein regendo a Orquestra Sinfônica da Rádio Bávara. É uma gravação extremamente expressiva e muito bem tocada. De 1990.



 

A Obra


Não cabe fazer uma análise ponto a ponto da peça, como eu costumo fazer. Ela não tem uma forma muito importante. Em vez disso, vou comentar alguns pontos em que você deve prestar atenção.

  • Começa com a orquestra fazendo sua introdução;

  • Aos 43 segundos são apresentados a flauta, o oboé e o fagote, que formarão um quarteto com a soprano;

  • Costuma ser dito que Mozart não gostava de flauta (é atribuída a ele a frase "O que é pior que uma flauta? Duas flautas"). Mas isso se deve ao fato de que, em sua época, a flauta era muito sibilante (ouvia-se muito a emissão do ar) e, principalmente, era difícil de equilibrar com o resto da orquestra, ficando sempre incomodamente mais audível que a orquestra. E, mais ainda, na sua época a flauta era de madeira e com apenas uma tecla. Os instrumentos eram mal feitos e cheios de problemas que afetavam, sobretudo, sua afinação - muitas notas saíam desafinadas independente da qualidade do instrumentista. É sabido que, quando passou a viver em Viena, encontrou instrumentos e instrumentistas de muito mais qualidade. Por fim, quase tudo que ele escreveu para flauta é impecavelmente belo;

  • Em 1m30s temos a entrada da soprano, fazendo o Tema Principal, com respostas das madeiras. O tema consiste nos versos "Et incarnatus est - De Spiritu Sancto";

  • Aos 2m20s temos uma série encantadora de melismas da soprano: por esse tempo todo ela esteve cantando simplesmente a segunda letra "a" de "Incarnatus", finalizando a palavra aos 3m48s;

  • Também aos 3m48s a flauta, o oboé e o fagote têm uma contribuição importante;

  • O Tema Principal volta, na soprano, aos 4m, o tempo todo dialogando com flauta, oboé e fagote;

  • Aos 4m43s a soprano toma novas direções (incluindo a bela nota aguda, aos 4m48s), em uma passegem tecnicamente difícil, pois as escalas e arpejos são contraintuitivos;

  • Aos 5m04s a soprano dá início a uma série de trinados (alternâncias rápidas entre duas notas), que Arleen faz com muita discrição e bom gosto.

  • Aos 6m38s temos a cadência, momento em que a orquestra para e os solistas (soprano, flauta, oboé e fagote) tocam sós, em caráter improvisativo. Importante lembrar que Mozart não nos deixou essa cadência, de modo que é uma reconstrução de outro músico. Mas é muito apropriada, de muito bom gosto, utilzando apenas elementos que já foram ouvidos na composição. A soprano não canta letra. Termina aos 8m08s;

  • Aos 8m09s a orquestra toca a introdução e finaliza a música de maneira discreta e sutil.

 

Considerações Finais


O ponto alto da composição é a graciosa interação entre os quatro solistas: soprano, flauta, oboé e fagote. A escrita deles é contrapontística. Contraponto é a arte de escrever duas ou mais melodias simultâneas. São regras medievais e escrever obedecendo-as é extenuante, mas Mozart faz sem esforço e o resultado é graciosíssimo. A Grande Missa em Dó Menor, K. 427, se considerarmos a obra completa, é escrita para duas sopranos, tenor, baixo, coro duplo (sim, dois coros, cada um com 4 tipos de voz, totalizando 8), órgão e grande orquestra. Trata-se de uma Missa Solemnis, um tipo de missa mais ambiciosa que a Missa Brevis, esta, mais modesta.


Et Incarnatus Est é uma música gloriosa, íntima, repleta de placidez e contemplatividade. Além de ter um impecável trabalho de escrita contrapontística. É um verdadeiro milagre de Mozart.


 

Gravações Recomendadas


Só há duas maneiras de se interpretar a obra de Mozart: a Romântica, com grandes orquestras, usando mais vibrato e, às vezes, rubato (coisas que não se faziam à época); e a "Historicamente Informada", que adota, teoricamente, práticas comuns na época, com orquestras menores, vibrato comedido etc. Uma terceira forma está surgindo: as grandes orquestras sinfônicas tocam com menos de seus instrumentistas e fazem um estilo híbrido, mais comedido que o Romântico mas não tão "frio" quanto o de época. Dou um exemplo de cada (Romântica e Historicamente Informada).


- Philippe Herreweghe, regendo a Orchestre des Champs-Élysés e a soprano Christiane Oelze - A versão "Historicamente Informada". O porquê das aspas? É que o movimento HIP, Performance Historicamente Informada, é controverso, sugerindo parâmetros de interpretação exagerados, quando não completamente errados. Além do mais eles dizem tocar como o compositor ou alguém de sua época tocaria, mas isso é impossível de saber. Apesar disso, produziram muitas e muitas gravações de primeira qualidade. Esta gravação, de 1991, mostra o genial regente Philippe Herreweghe acompanhando a talentosa soprano Christiame Oelze. É lindo ouvir a orquestra comedida, os solistas sem tomar liberdades, tais quais um vibrato ostensivo, rubatos e ritenutos.


- Claudio Abbado, com a Filarmônica de Berilim e a soprano Barbara Bonney - Essa é a gravação Romântica (embora tenda para o estilo híbrido, mais moderno). É uma versão de uma delicadeza ímpar, além de clareza e excelência. Também é de 1991.


 

E, como sempre, o/a encorajamos a comentar. Para comentar, continue rolando abaixo e encontre a faixa vermelha, abaixo de "Posts Relacionados". Nosso dever é difundir a música clássica, e não sabemos exatamente se estamos conseguindo. Às vezes parecemos rádio-amadores, transmitindo para as galáxias solitárias (possivelmente solitárias). Seu comentário faria muita diferença. Pode ser de pirraça, de elogio, de desabafo, de conversa. O que for. Agradecemos.


Algumas postagens importantes

Uma opção para o dilema de tocar ou não Música Russa nos concertos hoje em dia.

Aqui, 10 Livros Sobre Música Clássica


Compreensão Musical


As Maiores Orquestras do Mundo


Perfil da pianista portuguesa Maria João Pires, postagem da nossa correspondente prodígio lusitana Mariana Rosas, do Blog Pianíssimo (www.pianissimo.ovar.info).


Perfil da violinista francesa Ginette Neveu, falecida aos 30 anos em um acidente de avião, em 1949.


Perfil do pianista brasileiro Nelson Freire, considerado um dos maiores dos tempos modernos e falecido em 2021.


Veja também:


Músicas Fofinhas


As Famosas Listas


Música Popular Brasileira


Análises de obras


Compreendendo o Maestro

Parte 1 - História

Parte 2 - Pra Que Serve?

Parte 3 - Curiosidades


Argonautas

Saiba, aqui, tudo sobre os Argonautas, um quarteto de MPB Clássica e Contemporânea Autoral Cearense.


Papo de Arara (Entrevistas)



Não esqueça de comentar!

241 visualizações

Posts Relacionados

Ver tudo

Comments


bottom of page