• Rafael Torres

FEMINISTA DESSAS

Certo dia uma amiga postou algo no Instagram que me gerou a imediata reação de perguntar: "Tu vai ser uma dessas feministas?" Ela lacrou: "Sou dessas, daquelas..." O fato é que eu não quis dizer "Vai ser feminista?". E sim "Vai ser uma feminista dessas?" Destaque bem específico no dessas, porque me refiro a uma categoria específica de militante.



Claro que sou a favor da militância, acho que ainda tem muita luta pra ser lutada. Eu só não contribuo mais porque sou antissocial, mas sou a pessoa mais veemente contra a homofobia, o machismo, o racismo e o fascismo. Deve estar pensando: mas é homem, o que saberá de feminismo? Alto lá. Todos nós temos uma vida pelas costas, de dores, de sofrimento. Uma coisa que eu sempre digo é: nunca diminua o sofrimento alheio, tampouco a validade de suas lutas.


Ocorreu que tive um amigo muito próximo que, isso lá pra 2007, "olavou". O Olavo de Carvalho, para mim, ainda era só um doido que falava besteira - note, naquela época ainda não se fazia nem ideia do mal que o olavismo faria. Pois bem, inicialmente não rompemos, eu e meu amigo. Eu ficava até curioso com as acrobacias monumentais que ele tinha que fazer para manter um argumento. Pra gente, de fora, ficava óbvio que uma coisa que ele queria que fosse verdade só era "verdade" porque ele acreditava em outra "verdade". Coisa A fazia sentido porque Coisa B, validada por Coisa C, ia ajudando. Uma mentira sobre outra. Simples. Se uma fosse falsa, as outras cairiam, mas Olavo fez de um jeito que você nunca soubesse qual era a mentira original. A que calaria todas as outras.


Voltando ao meu amigo. Eu ficava sabendo em primeira mão quais eram os argumentos que eles tinham. Vc acha que eles dizem "sou machista porque sou mal"? Não. É mais ou menos assim: "eu não sou machista, acho que os direitos deveriam ser iguais, mas vocês querem que a mulher fique acima do homem". Ou "Os gays podem ser gays, só não me obrigue a ter que explicar pro meu filho por que que tem dois homens se beijando na porta do prédio". Garanto eu que, como pai, já me vi na situação de ter que explicar para minha filha por que tem gente justamente que agride os LGBTQI+, como é que existem os olavistas, isso sim. Cheios de ódio e de remorso. Ela não compreendida.


Mas tem atitudes que alimentam a mentira deles. No caso dessa amiga, se não me engano, o que me chateou foi que ela parecia ter saído por aí no Instagram procurando um indício de machismo pra gritar pra todo mundo "olha aqui! Detectei mais um! Fiz um print!". Mas não fica claro que, se baixar a tolerância rápido demais vai acabar por sufocar os machistas? Assim, se uma atitude levemente machista é denuncuada e o sujeito é cancelado, ele vai acreditar que é um machista escroto e via acabar debandando pro lado errado de vez. O que aconteceu com tentarmos educadametne explicar que tal atitude foi machista? Na verdade, olha o que aconteceu. Gente que nem era machista raiz, acabou vendo que seus amigos estavam encrencados e correu pra defender. E a coisa inchou, e inchou até que papocou.


Outra coisa, se as feministas ficarem denunciando e cancelando atitudes machistas "leves" (digamos assim), o bolsomínion vai dizer: "Estão vendo? É uma ditadura do feminismo, não querem que a gente fale nada."


Agora esses imbecis estão ganhando. E não digo que a culpa seja dela. A culpa é do filho da mãe que é machista. Toda. Mas a gente não pode ceder a eles nada, nada. Eles pegam qualquer migalha, centelha, ilusão de verdade e transformam em mentira. Eles vivem disso.

0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo