• Adriana Lunardi

As três razões da lágrima (conto-poema-ensaio)



A primeira, basal, resulta de átomos de sal que, contraídos, tornam-se líquido.


Escapa-nos porque há um orifício.


A segunda, reflexa, é uma reposta do plexo a um órgão em risco.


Controla-a a língua no palato e o diafragma encolhido.


Sentimental, a terceira, nada explica.

É a única com poder analgésico, diz a medicina.


Evita-se evitando a vida.


Data base:


Chora-se mais às sextas-feiras e aos sábados à noite.

Caíam bem as lágrimas nos homens da Grécia Antiga,

Só na Idade Moderna tornaram-se coisa de menina.






ADRIANA LUNARDI é autora de "Vésperas" (contos) e "A vendedora de fósforos" (romance). Criou, com Max Mallmann, o seriado "Ilha de Ferro"(Globoplay, 2018). Vive em São Paulo.

0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo