• JJ Marreiro

top 7 de curiosidades do início dos quadrinhos: as tirinhas.


O formato que popularizou as Histórias em Quadrinhos no mundo foi o formato Tira de Jornal. Seu fácil acesso, seu alto poder de síntese e facilidade de compreensão granjearam a atenção, simpatia e afeto de leitores de todas as idades e de todas as classes sociais. Dito isto, listamos a seguir algumas curiosidades a respeito das tiras e seus personagens mais antigos que mostram como a influência dos quadrinhos são intensas na sociedade desde suas origens até os dias de hoje.


7 - O POLÊMICO MARCO ZERO DA HQS (e Tiras): Antes de mais nada é importante dizer que sempre que falamos em marco zero de algo, quase sempre estamos falando de algo polêmico. E com quadrinhos não é diferente. Existe muita discussão sobre se Richard Outcault foi ou não o marco zero (via de regra os brasileiros concordam que tenha sido Angelo Agostini), mas é inegável que de todos os elementos constitutivos das histórias em quadrinhos "modernas", Outcault é quem mais condensa eles (nao todos, mas a maioria). E é por isso que ele entrou para a história dos quadrinhos com o lançamento de seu personagem Yellow Kid, em 1895, no jornal New York World. Este fato é usado como um marco zero para o estudo acadêmico das histórias em quadrinhos, embora seja sabido que existem manifestações bem anteriores que poderiam cumprir igualmente esta função. O Yellow Kid recebeu este nome por que vestia um camisão amarelo — a cor mais fácil de ser impressa naquela época. Eram fins do século XIX e os jornais New York Journal e New York World disputavam mercado, um dos elementos que atraía vendas era justamente as tiras e o criador de Yellow Kid protagonizou a disputa com ambos os lados oferecendo cada vez mais dinheiro pela sua colaboração. Tantas intrigas foram geradas em paralelo a isto que o termo "Yellow Jornalism"; virou sinônimo de Jornalismo sem escrúpulos. No Brasil, em 1959, o jornalista Alberto Dines (jornalista brasileiro conhecido por apresentar o programa de TV Observatório da Imprensa) elaborava a seguinte manchete: "Imprensa amarela leva cineasta ao suicídio", quando o editor sugeriu trocar amarelo por marrom, devido o amarelo ser uma cor muito amena. Assim, no Brasil o termo Jornalismo Amarelo, ou Imprensa Amarela ganhou outra coloração.



Yellow Kid

6 - O PRIMEIRO PERSONAGEM DOS QUADRINHOS COM PRODUTOS LICENCIADOS : No ano de 1902, trabalhando para o jornal New York Herald, Outcault (o mesmo criador do Yellow Kid) lançou Buster Brown, um pequeno garoto travesso sempre acompanhado de seu cãozinho Tige. Em 1904, aproveitando a popularidade da tira,  negociou o direito de uso de seu personagem para várias empresas, entre elas a Brown Shoe Company que tratou de lançar uma linha de sapatos devidamente nomeada Buster Brown, com isso configurando uma das primeiras práticas de licenciamento de personagens de quadrinhos.


Buster Brown, o cachorro Tige e seus Sapatos. Acervo Pessoal.

5 - A PRIMEIRA HISTÓRIA EM QUADRINHOS DO BRASIL: O jornalista e ilustrador Angelo Agostini publicou na revista carioca Vida Fluminense: As aventuras de Nhô Quim, em 30 de janeiro 1869. A trama narrava as desventuras de um caipira tentando sobreviver na cidade grande. No seu aniversário de publicação (30 de janeiro) foi instituído pela Associação dos Cartunistas do Brasil o Dia do Quadrinho Nacional. Faça a fineza de não confundir com Dia Nacional dos Quadrinhos, o Dia do Quadrinho Nacional é uma celebração do Quadrinho Brasileiro, a grosso modo: quadrinhos produzidos e publicados no Brasil. Agostini também foi responsável, juntamente com Luiz Gama, pela fundação da revista Diabo Coxo, com conteúdo humorístico ácido e abolicionista.


As Aventuras de Nhô Quim e Zé Caipora




4 – A PRIMEIRA HEROÍNA DOS QUADRINHOS: Em 1833 nas Aventuras de Zé Caipora, Angelo Agostini apresenta INAIÁ, uma indígena de muita personalidade e de grande força física. A personagem é apontada por alguns historiadores como a primeira heroína de aventura das Histórias em Quadrinhos precedendo Sheena e Mulher-Maravilha em cerca de 100 anos. A tira de Zé Caipora também é considerada precursora do gênero aventura nas histórias em quadrinhos. A estreia de Tarzan nas tiras foi em 1928. As aventuras de Tintin, de Hergè, estrearam em 1929. Claro, claro, que tem a polêmica com Yellow Kid. Mas se levarmos em consideração que a primeira história em quadrinhos do mundo nasce no Brasil com Angelo Agostini, nossa Inaiá fica numa liderança cronológica ainda mais evidente com seu pioneirismo!




3 – O PRIMEIRO SINDICATE DO BRASIL: A primeira agencia a distribuir Tiras e Quadrinhos no Brasil foi a agencia RECORD, fundada em 1940 por Alfredo Machado e Décio de Abreu, nos anos 60 a agencia mudaria o foco de trabalho para tornar-se a Editora Record. Em 1946 surgiria a Agencia Periodista Latino-Americana (APLA), em 1979 mudou o nome para Inca Press e funcionou até 1993. Nos anos 60 surge a CETPA (Cooperativa e Editora de Trabalho de Porto Alegre) que distribuia trabalhos de artistas brasileiros, entre eles: Júlio Shimamoto, Getúlio Delphin e João Mottoni. Ainda nos anos 60, Maurício de Sousa criou seu próprio Syndicate e distribuiu tiras de vários autores, incluindo Shimamoto e Flávio Colin. Até os anos de 1980, 80% das tiras publicadas no Brasil eram estrangeiras. Com a intervenção da Agência Funarte (Fundação Nacional de Artes) sob coordenação de Ziraldo os quadrinhos nacionais ganharam mais espaço. Nos anos 90, o Presidente Collor de Mello decretou o fechamento da agência , que se tornou um empreendimento particular gerido por Ziraldo sob o nome de Agência Pacatatu, o que garantiu 50% dos espaços de tiras com material nacional.




2 – O PRIMEIRO PERSONAGEMDOS QUADRINHOS A SER HOMENAGEADO NUMA ESTÁTUA: O Marinheiro Popeye estreou em 17 de janeiro de 1929 na tira Thimble Theatre. O personagem ganhou tanta popularidade, que o consumo de Espinafre (vegetal que ele ingeria para conferir força sobre-humana) aumentou 33% entre 1931 e 1936. Uma pesquisa de 2010 mostrou que crianças passavam a comer mais espinafre depois de ver desenhos animados do Popeye. Em Cristal City (Texas) a comunidade de cultivadores de espinafre ergueu uma estátua na praça central da cidade em reconhecimento aos serviços prestados por Popeye para a indústria do espinafre. Em Chester (Illinois), cidade natal do criador de Popeye, Elzie Crisler Seagar (E.C. Siagar), há uma outra estátua do personagem. E, na capital mundial do espinafre, Alma (Arkansas), há mais uma estátua no Popeye Park, o local onde ocorre a Feira Anual do Espinafre.



Maxwell Gaines

1 – COMO SURGIU O MAIS TRADICIONAL FORMATO DAS HQS: O famoso formato Comicbook, das revista norte-americanas, surgiu à partir de uma experiência do representante de vendas Maxwell Gaines. Ao ver que muitas pessoas adquiriam os jornais apenas para ler as tiras —muitos imigrantes aprenderam a ler e escrever com as tiras por conta do apoio visual e do contexto das cenas— Gaines dobrou os encartes, formato tablóide, e após colocar um adesivo de 10 cents, distribuiu apenas os encartes em algumas bancas. Após verificar a venda espantosa adotou o formato e começou a publicar revistas cujo conteúdo eram os personagens e tiras famosos de jornais. Assim nasceu o formato americano e as primeiras revistas norte-americanas de quadrinhos.






JJ Marreiro

JJ Marreiro é cartunista, ilustrador, arte-educador, colecionador e pesquisador de quadrinhos. Seu trabalho transita entre o estilo da era de ouro dos quadrinhos, o mangá , o acadêmico e o cartum. Trabalha com humor, quadrinhos institucionais e educacionais e metalinguagem. É fã de Star Trek e criador do blog LaboratórioEspacial.


0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo